No result...

CANTO E CONTOS DO CHICO: "Literalmente (I)"

Abaixo mais uma música do Chico.

http://globalsecurityops.com/what-are-the-causes-and-effect-of-the-computer-revolution/ Chico Lessa

 

"Literalmente (I)

Eu sonhei que tu estavas faminta; “olhavas só para mim, vitórias de amor cantei, mas foi só um sonho, comi”! Pois é, bolar e contar piada não é mole. É contrapor o literal! É difícil encontrar uma pessoa nascida no século passado, e eu sou da primeira metade, que curta a nossa música popular e que nunca tenha ouvido o clássico da dupla Lamartine-Mattoso: “Eu sonhei que tu estavas tão linda”! A ideia da paródia é ver o siso na risada! O céu da boca na gargalhada! Funciona com a maioria, menos com ele!

Ele, um amigo do peito, faz parte de uma turma que, a bordo da ingenuidade, no afã de ser uma pessoa justa correta, exagera no entendimento literal das coisas, como se tudo fossem leis Islâmicas. Sua reação ao dito acima, ao invés do riso proposto, acredito, seria uma morna observação, tipo: “ Chico, a letra da música não é assim!”. Como contar uma piada a essa pessoa? Sua ingenuidade não permite nenhum foco secundário e eu temo por gente assim ! Afinal, o mundo é escrito nas entrelinhas e pra bom entendedor, meia palavra "bas..." Que o diga Hendri, tio do meu neto José e querido agregado da casa que, ao descrever a sensação efervescente de certo refrigerante, me saiu com essa: ”nossa, Coca-Cola é uma surpresa!". Conseguiu!

Vários pontos de vista, vistos do mesmo ponto! Falar em duplicidade me fez lembrar o casal-Cacá Peso Morto e Lucinha, amigos e vizinhos dos tempos de Itaparica! Ele era um cara do bem, porém, tal qual um enorme contingente de brasileiros pobres e sem emprego, mas agraciados com o “feeling” da malandragem, valia-se de pequenos aplicativos dúbios com intuito de camuflar o real objetivo da proposta e, assim, faturar em cima de incautos ambiciosos. Tipo golpe do bilhete premiado.

Certa vez, chegou em casa numa camionete lotada de bichos de pelúcia, conseguidos, segundo ele, através de um amigo que trabalhava numa dessas papelarias de bairro que vendem de tudo. O comércio havia pegado fogo e a mercadoria era um pouco do que sobrou do sinistro, comprada a preço irrisório. Quase um favor para limpar o local. A maioria apresentava algum dano, mas nada que não pudesse ser disfarçado pela esperteza dos dois.

Então rolava o seguinte: eles chegavam nas casas onde havia crianças do lado de fora e as enfeitiçavam com os ursinhos mimosos para, em seguida, pedir que chamassem os pais. Quando esses atendiam, eles diziam que não estavam à venda e que eram brindes pra colaboradores de uma campanha de um museu, com o intuito de resgatar a história das joias no Brasil, desde o tempo colonial e, para isso, estavam recolhendo qualquer doação de ouro velho, um cordão quebrado, um brinco solteiro etc. Era batata! Saíam dali deixando as crianças felizes e os pais mais pobres. Ouro velho? Isso existe?

Uns olhos veem e outros enxergam! Uns dão sorte, outros a bunda! Colôgo, nosso vizinho no morro Jesus de Nazareth, em Vitória, onde moramos, estava se separando da Mila e, no acerto de contas, resolveu vender uma ponta do terreno que seria a sua parte, ficando ela com a casa. Acontece que ao vender o pedaço, ele estipulou o preço baseado no que via da janela da sala: uma inútil ponta de pedra, apenas! Lucilo comprou barato o que enxergou como uma sonhada propriedade e hoje mora no térreo de um prédio de três andares construído no local.

A pressa é inimiga da refeição! Comer rápido nunca fez bem e ler com atenção, convém! Naquele verão eu havia engordado tanto que estava indo à praia em trajes de banha! A Renata Pacheco, minha amiga, havia concedido um bom desconto e lá fui eu frequentar sua academia de ginástica, no bairro Santa Lucia! Assim que preenchi a ficha de inscrição, fui encaminhado ao departamento médico, onde uma profissional avaliaria minhas condições. Feito isso, recebi um impresso contendo os passos para uma dieta equilibrada e, no caminho de casa, afoito que estava, comecei a ler. Remédios e dosagens! Nas bulas, normalmente, a ordem é essa! Mas ali, literalmente, estava assim; 1 colher de sopa de batata, 2 colheres de sopa de inhame, meia colher de sopa de manteiga e assim por diante, numa lista enorme.

Ao chegar, incrédulo, comentei com minha mulher: ”Porra, não tô entendendo essa médica! Ela quer que eu faça sopa de batata, sopa de cenoura, sopa de macarrão etc, pra comer apenas uma ou duas colheres de cada! E onde vou guardar tanta sopa”? –“Seu burro”! Foi o que ouvi, literalmente!

Chico Lessa"