No result...

source  

page JOÃO GILBERTO E O ENCONTRO MARCADO

page por: Danilo Martins

 

see url Paulo César Araújo, o biógrafo condenado de Roberto Carlos, conta que, quando estudava Jornalismo e História na PUC do Rio, escolheu como tema da sua monografia a MPB.

http://www.hoplites.com.mx/designed-papers-for-writing/ designed papers for writing Entrevistou vários artistas, fazendo sempre o agendamento via telefone, usando com frequência o orelhão, porque sequer tinha telefone em casa. Estagiário da Rádio Jornal do Brasil, conseguiu, com o crítico de música João Máximo, o telefone de follow url JOÃO GILBERTO.

Dissertation Prospectus Hiv Aids African American --- Pode tentar, mas ele não dá entrevista a ninguém, advertiu-lhe João Máximo.

Ligou, na primeira vez, de um telefone de rua e  ouviu apenas o sinal de ocupado. Na segunda, ligando do estúdio da Rádio, tudo que conseguiu dizer foi seu  nome,  logo interrompido por João, que alegou estar muito ocupado. Pediu desculpas e, em seguida, surpreso, ouviu:  “Você é baiano?”

Vinte dias depois, nova ligação e, ao final, João Gilberto prometeu que, no próximo show que fizesse em Salvador, ele e o pai de Paulo César, sobre quem João fez várias perguntas, estariam como convidados, na primeira fila do teatro.

Vários telefonemas se seguiram e a entrevista virou amizade com aquele sobre quem Tim Maia dizia: “João não é uma pessoa. É um telefone”.

Certa vez, Paulo César foi convidado por João para conhecer um casal de amigos que o visitava. No endereço, foi recebido por Paulo Levita e sua mulher, Palmira, em um apartamento abaixo do de João, que ele mantinha só para receber os amigos. O casal confessou que tinha chegado há três dias e ainda não tinha visto João Gilberto, mas que este ligava a todo momento para saber se estavam bem. João apresentou vários outros amigos a Paulo César (Dona Boneca, de Porto Alegre, o empresário Krikor Tcherkesian, Edinha Diniz, biógrafa de Chiquinha Gonzaga, entre outros), mas , muito tempo depois, eles ainda não se conheciam pessoalmente.

Em 1992, João convidou Paulo César para seu show com Tom Jobim, no Theatro Municipal do Rio. Foi a primeira vez que Paulo o viu, mas não se falaram.

Durante uma ligação feita em 1993, João convidou Paulo César e seu pai para o show que faria no Teatro Castro Alves, em Salvador.

- Não se preocupe com hotel e passagens. Vocês são meus convidados.

Já hospedado no hotel Othon Palace, na praia de Ondina, Paulo viu João bem de perto, mas não se falaram ainda. No teatro sentou na primeira fila, como prometido e viu  os sapatos que pouco antes havia ajudado a amiga, Dona Boneca, comprar, porque João tinha esquecido os seus no Rio.

De volta ao hotel, foi convidado pelo próprio João para um jantar oferecido pelo seu irmão, Ederval Pereira de Oliveira.

-Te encontro na portaria, disse o cantor que, logo em seguida ligaria novamente mudando os  planos.

-Paulo, em vez de descer, venha para o meu apartamento.

João abriu a porta do apartamento 2204 e foi, então, que os dois se falaram pessoalmente, pela primeira vez.