No result...

COMENDO COM MÚSICA - TORTA CAPIXABA

Por: Martha Pimenta

 

Na Sexta-Feira Santa, prato tradicional do Espírito Santo é a TORTA CAPIXABA. Leva-se em conta que na religião católica é um dia de se guardar jejum pelo sacrifício que Jesus fez pelos Homens - Ele morreu crucificado para salvar a humanidade de seus pecados terrenos. Sem colocar a fé na conversa, porque cada um tem a sua, nessa coluna nossa proposta é falar de um prato da culinária brasileira e uma ou várias músicas que o enalteça! Sobre a TORTA CAPIXABA, logo ao acordar, fui brindada com uma poesia do amigo Acreano Sérgio Souto, que a descreveu e ainda jogou verde pra ser convidado a degustá-la!!! Tsc. Esperto esse menino! Como ainda não tem harmonia, fui em busca de alguma música, e encontrei a "Torta Capixaba", de Serrano, cantada pelo Trio Caiçara. Abaixo, a poesia do Sérgio e a música com o Trio Caiçara:

 

TORTA CAPIXABA
Sergio Souto

Pra comemorar a sexta feira santa
Nada melhor que uma torta como refeição
É abusar do bom gosto que tudo fica bom
Deixa o Lulu Belesa entrar em ação.

Tem que ter capricho com os ingredientes
Tem que ser tudo de prima da Vila Rubim
Desde o bacalhau até o caranguejo
Coentro e cebolinha picados timtim por timtim.

Uns dentes de alho não podem faltar
O sal fica ao gosto do freguês
Nesse prato tem que caprichar
Essa torta é a bola da vez.

Corte no ponto as cebolas em rodelas 
E guarde em qualquer recipiente
Tire os caroços das azeitonas
Que é pra ninguém em vão quebrar um dente.

Desfiando com todo cuidado o siri
Lavando com capricho o sururu
Essa torta capixaba tem a marca
“Belesa” do nosso chef Lulu.

O tomate entra em cena e em ação
Enquanto alguns ovos são batidos 
Nessa hora entra o nobre camarão
E o palmito torna o prato mais nutrido.

Dizem que beleza não põe mesa
Mas esse ditado eu não aprovo
Ela é bonita e é gostosa
Toda vez que como eu me renovo.

Enquanto o forno faz a sua parte
Que tal brindarmos com um cabernet
A vida é mesmo uma grande arte
Pra ser feliz tem que saber viver.

Fiz esses versinhos sem intenção
E confesso que até lisonjeado
Com a boca cheia d’água e com esperança
Pra esse almoço eu talvez ser convidado.